terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

Perfume

Não sei se foi da chuva miudinha que caiu um pouco antes. Não sei se foi acaso. Não sei se foi conspiração. O certo é que os cheiros das resinas, das estevas, do rosmaninho e dos tomilhos estavam absolutamente desenfreados. Como diabos à solta rodaram em volta de mim, puxaram-me pelos cabelos, entraram-me narinas dentro e entranharam-se de tal modo que, ainda agora, horas depois da caminhada, estão por aqui a dominar-me os sentidos.

domingo, 7 de fevereiro de 2016

Passeio de domingo (293)


O passeio, em Vilamoura, teve uma parte junto ao mar e outra nem por isso. Escolhi mostrar a parte nem por isso.








quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

A menina da loja

Quando é que a menina da loja se dá conta que, assim, não vai vender? A mim, pelo menos, não vai vender. A menina da loja devia cumprimentar-me quando entro e perguntar-me se desejo alguma ajuda.  Se eu a dispensar, naquele momento, a menina da loja devia deixar-me circular em paz, apreciando as peças que bem me apetecesse, sem mais.  Mas não. A menina da loja vê-me pegar num blusão e logo se apressa a explicar que aquele não é em pele mas também os tem – os blusões – em pele. E mais, a cada peça que ouso agarrar lá vem ela com mais um comentário, mais uma explicação. Que é da nova coleção. Que é muito bonito. Que este ainda está em saldos. Que o primeiro andar também tem saldos. Que posso experimentar. Que ali estão as calças. Que e que e que e mais ainda que. Pois eu não quero saber dos seus que. Eu só quero ver as novidades para, eventualmente, me deparar com uma peça irresistível e, sem apelo nem agravo, deixar-me levar à loucura do consumo imediato. Ou então, em dias razoáveis, levar a peça na cabeça para pensar nela, pesando vantagens e inconvenientes, até uma decisão final. Só que a menina da loja estragou tudo. Com tantos que, desencadeou em mim uma incontrolável reação alérgica que ameaçava transformar-se numa resposta torta. Tive que sair apressadamente da loja para respirar fundo e concluir que nem tão cedo lá volto a pôr os pés.

domingo, 31 de janeiro de 2016

Passeio de domingo (292)



Foi um domingo azul. Em Armação de Pera.








Choque

Ainda estou em choque. O empregado do cinema vendeu-me bilhetes sénior. Como é possível eu ter envelhecido tanto de há quinze dias para cá? E nem sequer fiz anos. Ainda pensei reclamar. A salvação dele foi que coisa me saiu mais económica.

sábado, 30 de janeiro de 2016

Lengalenga


Lagarto pintado
Quem te pintou?
Foi um artista que aqui passou
Por esta via
A fazer magia
E na parede me deixou.

terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Lua

Bem me parecia que, pelos vidros foscos da porta que dá para a varanda, se via um pequeno clarão. Abri a porta e, como pensava, é ela. É a lua que já se mostra um pouco achatada na parte superior, iniciando o seu caminho ritual e minguante. Também a vi pela manhã. Estava branca e leve como uma nuvem. Vi-a a oeste. Dançava sobre três cabos alinhados paralelamente e devidamente esticados entre postes de luz ou de telefone -  não sei. Invejei-lhe a suavidade do relevo que se deixava perceber entre partes mais ou menos transparentes. Foi uma visão breve. Só o tempo de virar a cabeça para a direita para conferir o trânsito e perceber se podia entrar na estrada principal. Ainda tentei ver, pelo retrovisor, se ela continuava ao alcance do meu olhar, mas não. Ainda assim, a sua imagem acompanhou-me por boa parte do percurso. Depois veio a vidinha. Aquela que é igual todos os dias. Ou quase. Agora, ao vê-la de novo, percebo que também ela tem a sua vidinha e que nem sempre pode dançar descontraída sobre os cabos aéreos.

domingo, 24 de janeiro de 2016

Passeio de domingo (291)


O passeio, entre a praia do Forte Novo e a do Almargem, em Quarteira, tem uma semana de vida e foi previamente agendado para este domingo em que estarei em viagem e sem tempo para editar.








quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

Noturno

Os  16ºC de temperatura que a aplicação instalada no telemóvel mostra para Faro não deve estar longe da realidade. A noite está morna e embaciada. Ao longe, para o lado do mar, uma leve bruma dilui os contornos das árvores e das casas e esfuma o brilho das luzes que acompanham o traçado da estrada. No céu, as nuvens também esfumam o brilho da lua. É uma noite parda e quase silenciosa não fosse o cão que ladra ao longe e interrompe de vez em quando a calmaria.
Sinto-me baça, tal e qual como a noite.

terça-feira, 19 de janeiro de 2016

Cais



(…)
Ah, quem sabe, quem sabe,
Se não parti outrora, antes de mim,
Dum cais; se não deixei, navio ao sol
Oblíquo da madrugada,
Uma outra espécie de porto?
(…)

Álvaro de Campos, Ode Marítima. (Revista Orpheu, nº2, 1915)

Discos pedidos

Hoje, pedi para ouvir uma música. Aqui.

domingo, 17 de janeiro de 2016

quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

As molas

Há os afazeres da dona de casa em volta da despensa, do frigorífico e do fogão. Há as compras, as refeições e as arrumações. Há as mudanças de roupa, as máquinas postas a lavar e o estendal. E depois há o caso das molas.

As molas da roupa são um caso sério. Diria que quase poderiam ser tema para uma tese. Ou melhor, o modo como se utilizam as molas poderia ser alvo de um estudo aprofundado. Eu, por exemplo, tenho um cesto para as molas e dou-lhe uso. Senão para que me serviria um cesto de molas? Quando ponho a roupa a secar na corda, retiro uma a uma as molas de que necessito. Pego em duas ou três molas, agarro na peça de roupa que se encontra no alguidar, sacudo-a energicamente, escolho as pontas por onde a vou pendurar, coloco-as na corda e prendo-as com as tais molas. Vou repetindo a operação até esgotar a roupa molhada e aliviar o peso do cesto das ditas molas. 

Até aqui tudo muito corriqueiro, tudo muito normal, dir-me-ão. E eu concordo. A questão coloca-se essencialmente no modo de recolha da roupa. Nesta fase da operação é que se dividem as práticas. Há quem, como eu, retire meticulosamente cada mola de roupa da corda, voltando a colocá-las no cesto. É para isso que ele serve, não é verdade? E há quem recolha a roupa abandonando as pobres molas à sua sorte no estendal. Umas ficam por ali, a baloiçar de pernas para baixo – isto se considerarmos como pernas as suas extremidades mais afastadas. Outras estarão fixas na corda com as pernas para o ar.

Não digo que, assim, não se crie um interessante efeito estético. Na verdade quantas fotografias, quantas ilustrações não as têm por tema? Uma corda pejada de molas de roupa coloridas. Ou então uma série muito clean, natural e uniforme de molas de madeira. Acho bonito, até, mas nada prático quanto se tem de voltar a estender roupa. Nesse momento temos as molas a ocupar o espaço em que precisamos de colocar os lençóis, as toalhas, as camisas, as calças, as meias, as cuecas… Precisamos então de as empurrar para um lado, desocupando parte da corda. Isso até funciona para quem as deixou de pernas pendentes mas para aquelas que estão bem presas pelo seu lado funcional de mola já não é tão evidente. Também será possível chegar junto do estendal e proceder à total remoção das molas antes de iniciar a operação de colocação da roupa a secar. Pessoalmente, considero este modus operandi um transtorno. A tarefa de estender roupa acaba por ser mais demorada. Prefiro, sem sombra de dúvida, dar uso ao cesto das molas sempre que tiro e ponho roupa no estendal.

Reconheço que a minha opinião pode não ser pacífica. Outros entenderão que é muito mais prático deixar as molas na corda. Parece-me, indubitavelmente, que este problema é merecedor de um estudo. Hoje em dia estuda-se tanta coisa. Chego a pensar que quanto mais disparatado o tema mais furor farão os resultados no momento da divulgação.


Um dia destes, ainda faço um inquérito sobre o modo de uso das molas de roupa em Portugal.

terça-feira, 12 de janeiro de 2016

Miradouro


Teoricamente 
não devia haver aqui uma cadeira
muito menos uma cadeira partida.

Porque se quebrou?
Não há sentido numa cadeira desfeita
assim.

Praticamente
todos os dias se quebram cadeiras
em algum lugar.

Mas assim, mirando o mar?

segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

"Troca-línguas"

Ainda vem longe a primavera mas, no fim de semana, já pude observar as aves que a anunciam voando sobre a Lagoa dos Salgados. O espanto baralhou-me de tal forma o pensamento que misturei as línguas e dei por mim a falar de “hirondinhas”.

domingo, 10 de janeiro de 2016

Passeio de domingo (289)


Passeio à volta de uma amendoeira apressada. Disse o velhote que por ali andava, que é sempre assim, que as flores daquela amendoeira são sempre as primeiras a chegar.








Janeiro

Falo hoje do tempo que é assunto de encher tempo. Embora, aqui e agora, seja só para encher espaço. E para que as imagens também respirem algum ar de palavras, por pobres e rarefeitas que estas andem por cá.

O tempo vai de feição com a estação. O inverno anda morno mas, ainda assim, traz vento, chuva e nuvens cinza para provar que é ele que, por estes dias, comanda o tempo.

É um trapalhão, este inverno. Quer fazer-se de feio, ruge, salpica, ensopa até, franze o cenho, põe cara de mau. Mas depois descuida-se e deixa-se surpreender por pequenas flores, amarelas, roxas, rosa, que já crescem na beira dos caminhos e, imagine-se, até uma frágil e solitária papoila deu sinal de si no meio do campo de azedas que calcorreei pela manhã.

domingo, 3 de janeiro de 2016

Passeio de domingo (288)


Posso dizer que 2016 não me ligou nenhuma. No preciso momento em que edito este passeio chove de novo. Mas também posso dizer que o fintei aproveitando o bocadinho de aberta que a manhã deixou escapar. E, para variar, fui ver o mar.