quinta-feira, 3 de setembro de 2015

Poente


Nunca sei como é que se pode achar um poente triste.
Só se é por um poente não ser uma madrugada.
Mas se ele é um poente, como é que ele havia de ser uma madrugada?


Alberto Caeiro

Ainda setembro...


Armação de Pêra (Silves) – 02-09-2015 – 18h30


Figueira (Vila do Bispo) – 02-09-2015 – 16h00

segunda-feira, 31 de agosto de 2015

A régua

Sobre a mesa da cozinha do meu pai encontrei, hoje, uma velha régua escolar que me pertenceu. Velha, velhinha mesmo. É uma régua quadrangular com quatro cores. Tem um lado amarelo, um vermelho, um azul-escuro e outro preto. O lado preto está graduado e eu, de forma tosca, para a identificar, escrevi o meu nome em letras maiúsculas sobre o lado amarelo. Está velha e gasta esta pequena régua de madeira mas vê-la assim, inesperadamente, recuperada de não sei que recantos esconsos da casa, deixou-me numa emoção só. Questiono-me como foi possível a minha pequena régua chegar até aos dias de hoje. Lembro-me que, no meio de móveis e outras traquitanas, viajou de França no regresso dos imigrantes. Pergunto-me por que milagrosos acasos não foi deitada fora numa das inúmeras ações de limpeza que periodicamente se empreendem e de que bastas vezes me arrependo por concluir, tempos depois, que lá se foi mais uma recordação. Quem a vê, agora, vê apenas um bocado de madeira velha, riscada, descascada. Aos meus olhos, porém, apresenta-se como um verdadeiro tesouro. Não me canso de olhar para ela, de lhe tocar e, com um sorriso bacoco, mostro-a ao me filho que se escusa a comentários e deve pensar que a mãe está tontinha de todo. Ligo-me à Net e vasculho as imagens do Google para ver se lhe encontro exemplar semelhante. Tudo serve para avivar memórias. Recuperei, hoje, a minha velha régua escolar e agora estou para aqui, meio enfeitiçada, nas lembranças que me traz. 

domingo, 30 de agosto de 2015

Passeio de domingo (271)


O caminho da praia, num dia de semana em férias, faz hoje a vez de passeio de domingo. Fora isso, é só descanso.








sábado, 29 de agosto de 2015

Pedras

De repente, como uma obsessão, as pedras do areal tomam-se de amores e eu só consigo ver corações. Vou passá-las daqui para o blogue do lado. No fundo, é uma série fora de série…


quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Maré

Fim de tarde, na maré baixa. Sopra um vento quente enquanto eu, à babuja, revolto a areia rodando os pés como quem dança o twist, numa tática conhecida da apanha da conquilha. 

Vejo uma, duas, três. Jogo-lhes a mão antes que venha a onda e as leve, antes que se enterrem de novo na areia. É uma entretenha viciante. Uma a uma vou guardando as conquilhas num pequeno saco de plástico onde coloquei uma porção de água do mar. Sempre que consigo apanhar uma grande, o prazer é redobrado. 

Como eu, dezenas de banhistas sofrem do mesmo vício. Escavam a areia, atiram-se aos bivalves que rebolam em fuga na espuma, enfiam-nos em pequenas garrafas de água ou nos baldes dos filhos. Uma mulher entrega-me meia dúzia delas. Não tem recipiente, está só de passagem mas não resiste ao apelo da apanha. Um casal questiona-me sobre como se devem cozinhar. 

O vento continua a soprar quente e traz-me o cheiro de bolas de Berlim.  A lua já se vê no azul, ainda dia, do céu. Avisa o sol que está na hora de lhe dar espaço. A praia agiganta-se à medida que se vão fechando os sombreiros. A contragosto tenho de regressar a casa. Levo areia nos pés, salpicos de sal no corpo, alegria na alma.

E um saco de conquilhas…


quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Ládano

É o cheiro. É o cheiro da esteva que aquece ao sol da manhã que me inebria. Percorro os trilhos sinuosos da falésia. Os pés, nos chinelos de praia, cobrem-se de um fino pó ruivo. Passa por mim gente que corre. Correr está na moda. Passam também ciclistas nas suas btt. Ao longe avisto cavaleiros. Passam todos por estes trilhos desenhados entre pinheiros mansos. Respiram o mesmo ar que eu. Avistam o mesmo mar que eu. Esse mar que, lá em baixo, vai lambendo a areia macia. O mar pode esperar. Já lá vou. Por ora apenas quero sentir o cheiro resinoso da esteva que brilha ao sol.


terça-feira, 25 de agosto de 2015

A vida é bela (91)

... a preto e branco.


As nádegas

Ainda era jovem mas sem dever muito à elegância. Andaria pelos 40 anos e alguns quilos a mais. Uma mulher comum, de férias, na praia. O biquíni escorregava-lhe nádegas adentro deixando as ditas salientes ao sol. Nada de mais. Mas nada bonito de se ver. Pior ficou quando vestiu a t-shirt e saiu praia afora para um passeio. O biquíni desapareceu do raio público de visão, sobrando apenas meias nádegas celulíticas e a ilusão de que seguia nua por baixo da camisola.

domingo, 23 de agosto de 2015

Passeio de domingo (270)


 No parque ambiental de Vilamoura: um percurso que já não é novo, por aqui,  mas que eu renovo regularmente.









sexta-feira, 21 de agosto de 2015

As sandálias

As sandálias verde-água, com salto de dois centímetros, combinavam com o fato-de-banho. Só o pude concluir quando despiu as calças largas de linho branco que envergava por baixo da longa túnica de mangas compridas, igualmente branca.  Como branco era o chapéu de abas que a protegia do sol.

Chamaram-me a atenção as sandálias, provavelmente porque, na praia, só tenho visto gente com chinelos de plástico. Também me chamaram a atenção as calças compridas do homem que a acompanhava. Provavelmente porque, na praia, só tenho visto homens de calções.

O próprio fato-de-banho, verde como as sandálias que entretanto descalçou, pareceu-me de uma elegância inusitada. Caminhou para a água, apenas molhando as pernas. Desistiu do mergulho e regressou à toalha para nela se sentar e esperar pelo fim de tarde que chegava.

terça-feira, 18 de agosto de 2015

A vida é bela (90)

...no azul do mar.


Água

Acabei de enviar uma fotografia para participar no passatempo que a Teté, do blogue Quiproquó, decidiu lançar neste verão.

A ideia não é de um concurso de fotografias, é, sim, de um convívio fotográfico. É que as fotos participantes serão publicadas no Quiproquó assim como a informação sobre os “fotógrafos” com o objetivo de se adivinhar quem fotografou o quê.

A coisa não é fácil mas promove uma saudável interação entre bloggers. Quem tem uma trabalheira infernal com tudo isto é mesmo a promotora do evento. Eu não me atreveria…


Ah… o tema para fotografar é a água.

domingo, 16 de agosto de 2015

quarta-feira, 12 de agosto de 2015

O assobio

Arranco as ervas daninhas que crescem no vaso de uma planta suculenta que enfeita o poial da minha rua da frente. Quando digo rua da frente refiro-me ao pátio que ladeia a fachada principal da casa. Modo de dizer, próprio daqui.

O que interessa, porém, são as ervas daninhas que estou a arrancar e que deito fora, não sem antes revisitar uma brincadeira de infância. Pego numa folha fina e comprida. Entalo-a entre os polegares. Encosto os lábios aos dedos e sopro com força sobre a aresta da folha, como aprendi em criança. Logo se solta o assobio, forte, estridente, cortando o ar.

Rio-me e esfrego a boca para me passarem as cócegas, uma espécie de formigueiro provocado pela vibração da folha sob a ação do sopro.


segunda-feira, 10 de agosto de 2015

Queixosos

Não consigo entender por que razão as pessoas que se queixam do sul e especialmente do Algarve em agosto continuam a fazer férias, precisamente, em agosto. E não consigo entender porque é que escolhem sobretudo a primeira quinzena de agosto que é quando há mais gente de férias no sul e a criticar o sul. Queixam-se das filas de trânsito, queixam-se das praias cheias de gente, queixam-se dos vendedores de bolas de Berlim, queixam-se por verem caras conhecidas, queixam-se das festas, enfim são queixosos crónicos. E não me venham dizer que só podem ter férias em agosto. Isso será verdade para alguns. Não o é certamente para todos aqueles que, sistematicamente, todos os verões, rumam a sul e, invariavelmente, vão afiar língua, lápis e teclas para se queixar. De quê, afinal? No fundo, acho que de si próprios.

quinta-feira, 6 de agosto de 2015

Os sons da noite

Tenho a porta do terraço aberta para ver se entra um pouco do ar mais fresco da rua. Daqui, onde me encontro sentada, não chego a senti-lo. Da noite, há pouco caída, apenas ouço os sons. Ouço o cão que ladra, o comboio que passa, as rodas dos carros no asfalto. Há pouco passou também um avião. Seguia para norte com quem já acabou as férias, ou com quem as vai passar noutro lado. Também ouço os insetos. Grilos, por certo. Outro cão responde ao primeiro. Este tem um ladrar mais grosso. Pipinha, Pipinha, anda Pipinha… É a prima que chama pela gata. São horas de recolher. Para a gata, claro está. Para quem goza estes dias quentes de agosto a hora é de saída para jantar, para o passeio noturno, para a farra das férias.  Eu, estou quase como a gata, prestes a recolher. Mas antes vou para a varanda. Parece-me que se está a levantar um pouco de vento. Ouço as folhas da alfarrobeira a sussurrar. É isso. Vou para a varanda. De lá ouço melhor os sons da noite.